sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

O ovo de Colombo para a avaliação dos professores: com o apoio do ministério, dos professores e dos partidos.











Então é assim: cada professor escolhe um avaliador externo, pago pelo Ministério da Educação, se trabalhar na OCDE melhor ainda, entrega-lhe uns relatórios sobre o que andou a fazer, e indica-lhe com quem deve falar. Com base nisto o avaliador faz a avaliação de desempenho do professor, e atribui-lhe a respectiva classificação.

Como é óbvio este modelo contará com o apoio do Ministério da Educação e do PS; se é bom para avaliar o ministério, inclusive com os rasgados elogios do 1º Ministro, também serve para avaliar os professores.

Depois de umas quantas rondas negociais, e uns posts do Guinote, os professores não deixarão também de dar o seu acordo; no fundo o modelo não difere muito do que a frente sindical apresentou para o corrente ano lectivo.

Quantos aos partidos da oposição, uma vez que mete avaliador externo, ou seja mais uma oportunidade de pôr os privados a mamar na teta do Estado, o PSD, que em primeiro lugar propôs a avaliação externa, não deixará de apoiar; o PCP apoiará o que o professor Nogueira achar melhor, ou vice versa, mas como diz a Teresa, isso agora não interessa nada; o BE pelo carácter fracturante do modelo em relação ao que ainda está em vigor, também não se vai opor; e o CDS, que nesta fase inicial do namoro tem de bater a bola baixinho, se for bom para o PS, não irá certamente levantar grandes problemas.

Está a ver como com um pouco de imaginação e boa vontade, e quando menos se esperava, o tal pseudo relatório da OCDE, que o Governo nos fará o favor de dizer quanto custou, ainda vai servir também de inspiração para resolver um imbróglio que nunca mais acabava.

Nota: Para ver como se cozinhou o tal relatório auto-elogioso consulte os Anexos.

3 comentários:

setora disse...

Vim descobrir este seu ovo - brilhante.
E o problema que pôs no final é importante para o cálculo de toda a operação e tenho pena que só você se tenha lembrado dele - quanto custou o "relatório" da OCDE?
Nenhum jornalista daqueles que tem acesso ao ingenheiro ou à ministra fez a perguntinha. E dava jeito saber para poder fazer as contas ao modelo que propõe e que aplaudo.

Aristes disse...

Os alegados jornalistas comportam-se cada vez mais como Relações Públicas de quem lhes faz chegar os "press releases", como se diz em Inglês técnico, neste caso o Governo. Bastava 5 minutos a dar uma vista de olhos aoa Anexos do Relatório, que está na Internet, para ter uma ideia da natureza do documento.

paulo g. disse...

What have I done to deserve this?

;)